Ministério Publico do Estado de Mato Grosso

GAZETA

MPE critica benefícios aos réus

sexta-feira, 30 de agosto de 2019, 10h13

PABLO RODRIGO
DA REDAÇÃO

O Ministério Público de Mato Grosso voltou a se posicionar contrário a qualquer benefício aos militares, coronéis Zaqueu Barbosa e Evandro Lesco, e o cabo Gerson Corrêa, na ação penal que está em fase sentença na 11ª Vara Militar de Cuiabá. De acordo com o promotor Alan do Ó, os benefícios de perdão judicial e redução de 2/3 da pena não se encaixariam no caso dos 3 militares, já que na não se encaixaria “no ordenamento jurídico militar a previsão do perdão judicial, causa extintiva da punibilidade”. Para o promotor, a tentativa de delação dos militares seria apenas para tentar se livrar das condenações e o reinterrogatório deles, “se limita à confirmação de fatos que já haviam sido comprovados pelo Ministério Público”, e “outros fatos absolutamente alheios à presente persecução penal”.

Alan do Ó também lembrou o fato do cabo Gérson Corrêa ter prestado depoimento por 4 vezes, sempre mudando as versões dos fatos. “Não fora o suficiente para o aludido réu externar toda a sua verdade real”, disse. Já em relação aos réus Zaqueu Barbosa e Evandro Lesco, o promotor alega que ambos tentam se “esquivar da responsabilização penal e, ao fim do tortuoso processo, quando não havia mais nenhuma artimanha ou escolha, antevendo o prejuízo pessoal advindo de uma condenação, principalmente no que tange à perda da função (e dos proventos por consequência), resolveram confirmar os crimes que lhe foram imputados e, sobretudo, fartamente já demonstrados ao longo de um robusto conjunto probatório, ou seja, seus depoimentos são chuva no molhado”, completou.
 
O pedido dos militares ocorreu após os reinterrogatórios solicitados pelo 3. Antes, Zaqueu, Lesco e Gérson, tentaram firma acordo de colaboração junto ao Núcleo de Ações de Competência Originária (Naco Criminal). Porém, o pedido foi negado, mesmo com informações envolvendo membros do próprio Ministério Público. O juiz Marcos Faleiros da Silva, da 11ª Vara Criminal Especializada em Justiça Militar, marcou para os dias 6,7 e 8 de novembro o julgamento de sentença na esfera militar.

Compartilhe nas redes sociais
facebook twitter
topo