Ministério Publico do Estado de Mato Grosso

GAZETA

Silval e mais 9 serão interrogados

terça-feira, 23 de julho de 2019, 09h45

JÉSSICA BACHEGA
REPÓRTER DO GD


O  ex-governador  Silval  Barbosa e outros 9 investigados  na  Operação  Sodoma,  em  sua  5ª  fase,  serão  interrogados  no  fim  de  agosto,  pelo  juiz  Jorge  Luiz  Tadeu,  na  7ª  Vara  Criminal.  As  investigações apuram o desvio de  R$  8,1  milhões  do  Estado,  por  meio  de  fraude  no  consumo de combustível. A ação estava parada até que se decidisse sobre o pedido de suspeição feito pelo advogado  e  réu  Francisco  Faiad contra a então juíza do caso, Selma Arruda. O pedido foi acolhido e o processo desmembrado quanto Faiad, também  alvo  da  investigação.  Sanada  a  pendência,  o  juiz determinou as datas do interrogatório  dos  acusados  de participarem da fraude.

No dia 27 de agosto será ouvido   o   ex-governador   Silval  Barbosa,  o  ex-chefe  de  gabinete  Silvio  Cesar  Correa e o ex-secretário de Administração  Cesar  Zilio.  No  dia  28  de  agosto  serão  interrogados  o  ex-secretário     de     Administração,    Pedro  Elias,  o  empresário  Juliano  Volpato,  dono  da  a  Saga  Comércio  e  Serviço  Tecnológico, e o ex-secretário  adjunto  da  Secretaria  de  Infraestrutura  Valdisio  Juliano Viriato. Em 29 de agosto o juiz irá interrogar    o    empresário    Edézio Correa, sócio da Safa Comércio  e  Serviço  de  Tecnologia, o servidor Alaor Alvelos   Zeferino   de   Paula,   Diego  Pereira  Marconi,  ex-servidor da Sinfra, e o ex-secretário  adjunto  de  administração, José Nunes Cordeiro.

Operação Sodoma 5 A Polícia Civil deflagrou, no  dia  14  de  fevereiro  de  2017, a 5ª fase da Operação Sodoma.  A  ação  investiga  fraudes em licitação, desvio de  dinheiro  público  e  paga-mento de propinas, atos su-postamente realizados pelos representantes  da  empresa  Marmeleiro    Auto    Posto    LTDA  e  Saga  Comércio  Serviço  Tecnológico  e  Informá-tica  LTDA,  em  benefício  da  organização  criminosa  co-mandada  pelo  ex-governador Silval Barbosa. Conforme  o  Ministério  Público,  uma  organização  criminosa    liderada    por    Barbosa teria cobrado propina de empresários, entre os  anos  de  2011  e  2014,  para  fraudar  licitações  e  manter contratos de fornecimento  de  combustível,  para a frota do governo do estado, e com uma empresa de informática. Ao  todo,  o  grupo  teria,  segundo o MPE, desviado R$ 8,1  milhões  das  secretarias  de   Administração   (extinta   SAD) e de Transporte e Pavi-mentação (extinta Setpu).

Compartilhe nas redes sociais
facebook twitter
topo