Ministério Publico do Estado de Mato Grosso
empty

DIÁRIO DE CUIABÁ

Juiz baleado recebe alta e CNJ cobra providências

quarta-feira, 03 de outubro de 2018, 10h28

JOANICE DE DEUS
Da Reportagem

O juiz Carlos Eduardo de Moraes e Silva, baleado no ombro esquerdo na tarde da última segunda-feira (1°), dentro do Fórum de Vila Rica (1.250 quilômetros, ao nordeste de Cuiabá), recebeu alta médica ontem (2). Na tarde da última segunda-feira (1º), o magistrado foi baleado por Domingos Barros de Sá, que acabou morto por policiais militares. O ministro Humberto Martins, corregedor nacional de Justiça, cobrou informações acerca das providências adotadas pelo presidente do Tribunal de Justiça do Mato Grosso (TJ-MT), desembargador Rui Ramos, no caso, bem como quanto à situação geral da segurança dos magistrados estaduais.

Martins também manteve entendimento com o presidente da Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB), juiz Jayme de Oliveira Neto, e com o presidente da Associação Mato-Grossense de Magistrados (AMAM), juiz José Arimatéia Neves Costa, para que seja oferecida ao magistrado toda a segurança necessária para o exercício de sua atividade de judicatura. O presidente do TJ-MT, desembargador Rui Ramos Ribeiro, informou, por meio da assessoria, que acompanha o caso e avalia as medidas a serem tomadas. Já a Amam informou que “não é de hoje que são feitas as reivindicações para a melhoria da segurança durante a atuação jurídica, como os detectores de metal e a presença da Polícia Militar nos ambientes dos Fóruns”.

De acordo com informações da assessoria do TJ/MT, o juiz havia acabado uma audiência de custódia, quando um advogado adentrou à sala, seguido pelo agressor. O homem sacou a arma escondida e ameaçou o promotor de justiça presente no local. O magistrado interveio na situação e, após se aproximar do réu, entrou em luta corporal com ele. Em seguida, houve o disparo. O magistrado foi socorrido e encaminhado ao pronto-socorro da cidade. Após, familiares levaram Carlos Eduardo para hospital de Palmas (TO), buscando pela retirada do projétil. Ele recebeu alta ontem, mas por enquanto não deve retirar da bala.

Ainda na nota, a Amam lembrou que em menos de uma semana, pelo menos dois juízes sofreram atentados dentro de seu gabinete de trabalho, no Estado. “É inadmissível que um Agente Público encarregado de garantir direitos do cidadão passe pela situação de risco eminente contra sua vida – justo no momento em que cumpre o seu dever”, frisou. Conforme o TJ/MT, “a integridade física dos magistrados, servidores, operadores do Direito e usuários da justiça é uma preocupação intensa do Poder Judiciário Mato-grossense, que busca o aperfeiçoamento constante do sistema de segurança em todas as unidades do Poder Judiciário”.

Compartilhe nas redes sociais
facebook twitter
topo