Ministério Publico do Estado de Mato Grosso

GAZETA

Ex-PM e viúva são condenados

sexta-feira, 15 de junho de 2018, 11h40

DA REDAÇÃO

Ex-cabo da Polícia Militar de Mato Grosso, Hércules de Araújo Agostinho foi condenado, na madrugada desta quinta-feira (14), a mais 17 anos de prisão pela execução do ex-agente de fiscalização da Secretaria de Estado de Fazenda (Sefaz), José Gervásio da Silva Júnior, o “Juquinha”. A viúva da vítima, Francisca Benta de Campos Silva, acusada de ser mandante do crime, também foi considerada culpada pelo tribunal do júri e a pena foi fixada em 15 anos e 6 meses de reclusão. O amante dela, Claudecir da Silva Aires, teria ajudado, mas foi morto cerca de 2 meses depois de Juquinha. Os jurados absolveram Milton Pinheiro, vizinho de Hércules, que era apontado como intermediador entre mandantes e executor.

Durante o processo, Milton foi considerado inimputável. Apesar do regime inicial de cumprimento de pena de Francisca ser o fechado, o juiz Otávio Vinícius Affi Peixoto permitiu que ela aguarde eventual recurso em liberdade, apontando que a condenada colaborou até para a aplicação da lei penal, “além de não se apresentarem quaisquer dos outros elementos a exigir a prisão preventiva”. Este é um dos crimes que Hércules sempre negou autoria e, por isso, o advogado de defesa do ex-PM, Jorge Godoy, afirma que vai recorrer da sentença. Com mais esta condenação, as penas de Hércules somam 216 anos de reclusão pela morte de 16 pessoas e tentativa de homicídio contra 3.

O crime O assassinato de Juquinha ocorreu em setembro de 1999, em Nossa Senhora do Livramento. Denúncia do Ministério Público do Estado aponta que a motivação foi passional. Hércules teria sido contratado pela viúva da vítima e seu amante. O carro de Hércules foi reconhecido como o usado pelo executor. Hércules chegou a confessar este crime em 2003, no Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado (Gaeco). Mas ao negar em juízo disse que conhecia detalhes porque foi outro PM, amigo seu, que praticou o crime, inclusive usando o seu veículo. De acordo com a denúncia, Hércules teria recebido uma moto, a espingarda com a qual matou a vítima e mais R$ 15 mil. Francisca também nega envolvimento no crime. (DV)

Compartilhe nas redes sociais
facebook twitter
topo