Ministério Publico do Estado de Mato Grosso

MP é contra revogação de prisões

quarta-feira, 23 de maio de 2018, 11h09

PABLO RODRIGO
DA REDAÇÃO

O Ministério Público Estadual (MP) emitiu parecer contrário aos pedidos de revogação das prisões do deputado estadual Mauro Savi (DEM), do ex-chefe da Casa Civil, Paulo Taques, do seu irmão, Pedro Jorge Zamar Taques, e dos empresários José Kobori e Roque Anildo Reinheimer.

Ambos tiveram as prisões preventivas decretada pelo desembargador do Tribunal de Justiça José Zuquim Nogueira no dia 9 de maio, durante a segunda fase da Operação Bereré, denominada Bônus, que investiga um esquema de pagamento de propina de aproximadamente R$ 30 milhões oriundos de um contrato do Departamento Estadual de Trânsito (Detran).

Para o Núcleo de Ações de Competência Originária (Naco) e o Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado (Gaeco) do MP, a manutenção das prisões é necessária pelo “risco que os investigados representam à ordem pública, tendo em vista que o contrato permanece vigente, bem como a possibilidade concreta de reiteração criminosa”, diz trecho do parecer.

O MP ainda afirma que “não foi apresentado nenhum fato que alterasse as circunstâncias existentes no momento da decretação da prisão preventiva, razão pela qual não se justifica a revogação da segregação cautelar”.

De acordo com a denúncia do Ministério Público, Mauro Savi e Paulo Taques atuavam no núcleo de liderança do esquema criminoso, enquanto que José Kobori, Pedro Jorge Zamar Taques e Roque Anildo atuavam no núcleo de operações, responsável por colocar em prática as ideias para desviar dinheiro do Estado.

A operação Bônus foi o resultado da análise dos documentos apreendidos na primeira fase da Operação Bereré, dos depoimentos prestados por testemunhas no inquérito policial e colaborações premiadas. Caberá ao desembargador Zuquim decidir pela revogação ou manutenção das prisões.
Compartilhe nas redes sociais
facebook twitter
topo