Seu navegador não suporta javascript!
Ministério Público do Estado de Mato Grosso
Página Inicial
 
Intranet
Acessar Intranet
MP na Mídia
26.05.17 14h06
Justiça proíbe operação
26.05.17 14h02
MP pediu bloqueio judicial de R$ 9 mi
26.05.17 13h52
MP denuncia sete à Justiça
25.05.17 09h54
Indefinição de gestão traz problemas
24.05.17 12h59
MP investiga propina da JBS

Mais MP
Intranet
Acessar
Tamanho A A
RECURSO DE APELAÇÃO

Ex-prefeito de Alto Paraguai é condenado por improbidade administrativa

Por JANÃ PINHEIRO
Quarta, 17 de maio de 2017, 09h16

O ex-prefeito de Alto Paraguai (200 km de Cuiabá), Alcenor Alves de Souza, foi condenado pela Justiça, por diversos atos de improbidade administrativa, relacionados ao exercício de 2002. O Ministério Público do Estado de Mato Grosso, por meio da 2ª Promotoria de Justiça Cível de Diamantino, ingressou com recurso junto ao Tribunal de Justiça de Mato Grosso que, por unanimidade, deu provimento a apelação.

Dentre os atos de improbidade administrativa imputados ao ex-prefeito estão: emissão de cheques sem provisão de fundos; despesas com obras sem o devido processo licitatório, pagamento de diárias de forma incorreta e sem comprovantes; Inobservância do Patamar mínimo para o custeio da Educação e da Saúde, além de fragmentação de despesas para evitar o procedimento licitatório e quadro de pessoal com 50% de contratados.

Conforme o MP, as irregularidades ocorridas durante o período que esteve à frente da administração (2001/2004), mais especificamente quanto às contas do exercício de 2002, foram detectadas pelo Tribunal de Contas do Estado que emitiu o Parecer nº 050/2003, pela rejeição das contas. Ao todo, o TCE detectou mais de 30 irregularidades/ilegalidades cometidas pelo ex-prefeito.

“O dolo genérico se consubstancia na vontade de não cumprir o que determina a Constituição Federal, pois cometeu 36 irregularidades de natureza grave. Não passaria de mero enfeite o dispositivo constitucional. Portanto, está configurada a conduta dolosa por se conduzir contra o determinado pelas normas”, destacou em seu voto a desembargadora/relatora Nilza Maria Pôssas de Carvalho.

Com o trânsito em julgado da referida decisão, os direitos políticos do ex-prefeito foram suspensos por cinco anos. Ele ainda está proibido de contratar com o Poder Público pelo prazo de três anos, além de ter que pagar multa calculada no valor de R$ 170.732,64, e o ressarcimento do dano causado ao Município de Alto Paraguai, estimado em R$ 6.757.051,79, em valores atualizados e ainda sujeita à liquidação.

Com o objetivo de executar as penas, a 2ª Promotoria de Justiça de Diamantino ingressou com o pedido de execução das penas e de liquidação do dano ao erário municipal.

 
Compartilhe nas redes sociais
e-mail facebook twitter


Confira também:
26.05.17 16h38 » MPE firma TAC e estabelecimentos comerciais deverão se adequar às normas sanitárias para revenda de carne
26.05.17 15h56 » Novos promotores têm curso sobre atuação e relacionamento do MP com o TCE
25.05.17 16h33 » MP pede bloqueio judicial de mais de R$ 9 milhões para custear Hospital Regional de Sorriso
25.05.17 16h19 » Instituições discutem cooperação para prevenção e combate à corrupção
25.05.17 10h50 » Projeto do MP usa teatro para falar com crianças sobre bullying e abuso sexual
25.05.17 10h25 » MPE obtém decisão que determina fechamento de indústria que produz agrotóxico
25.05.17 10h17 » MPE oferece denúncia contra sete pessoas por crimes contra a administração tributária
24.05.17 15h10 » Decisão Judicial revela que telefone institucional utilizado pelo Gaeco também foi interceptado
23.05.17 14h57 » CSMP decide sobre concurso de promoção ao cargo de procurador de Justiça
23.05.17 14h04 » MPE notifica prefeitura municipal para que regulamente estacionamento rotativo
23.05.17 10h47 » MPE conclui projeto nesta quarta-feira em escola no Jardim Florianópolis
19.05.17 17h45 » MP investe em tecnologia para melhorar nível de transparência da instituição
19.05.17 16h08 » Justiça recebe denúncia e mantém prisão de cinco acusados de participação em chacina
19.05.17 14h36 » MPE garante que interceptações telefônicas ilegais não passaram pelo Guardião do Gaeco e recomenda aos promotores 'pentefino' em processos oriundos do Núcleo de Inteligência da PM
18.05.17 15h39 » Livro sobre “Lei Anticorrupção Empresarial” é lançado com coautoria de Promotor de Justiça em MT











Galeria de Fotos
Mais Fotos
Entrevistas
Compliance como instrumento de combate à corrupção
Por Rogério Sanches Cunha, com coautoria do promotor de Justiça em MT, Renee do Ó Souza
Mais Entrevistas
Buscar
Agenda e Eventos
Inauguração - Nova sede das Promotorias de Justiça de Cláudia
Data: 02.06.2017
Informações: (66) 3546-2394
Mais Agenda

Defender o regime democrático, a ordem jurídica e os interesses sociais e individuais indisponíveis, buscando a justiça social e o pleno exercício da cidadania.

» A Instituição » Teclas de Atalho » Corregedoria-Geral
» Acessibilidade » Projetos » Controle Interno
» Concursos » Departamentos » Gestão Ambiental - MP Sustentável
» Legislação » Licitações » Links
» Lotacionograma » Notícias » Órgãos Auxiliares
» Planejamento Estratégico » Portal Transparência » Procuradorias de Justiça Especializadas
» Publicações DOE » Todos Contra as Drogas » Terceiro Setor

Procuradoria Geral de Justiça

Rua Quatro, s/nº

Centro Politico e Administrativo - Cuiabá/MT

CEP: 78049-921

Fone: (65) 3613-5100


Sede das Promotorias de Justiça da Capital

Av. Desembargador Milton Figueiredo Ferreira Mendes, s/nº

Setor D - Centro Politico e Administrativo - Cuiabá/MT

CEP: 78049-928

Fone: (65) 3611-0600

Horário de atendimento ao público externo e protocolo: 08h às 18h

Ministério Público do Estado de Mato Grosso - Procuradoria Geral de Justiça