Seu navegador não suporta javascript!
Ministério Público do Estado de Mato Grosso
Página Inicial
 
Intranet
Acessar Intranet
MP na Mídia
20.10.17 10h09
Polícia prende assaltantes de residências
20.10.17 10h06
Valdir Piran se livra de tornozeleira
19.10.17 10h14
Em nota, Gaeco repudia as declarações do cabo
19.10.17 10h09
Juíza vai processar cabo da PM
19.10.17 10h04
Aniversário é lembrado com protesto e pedidos

Mais MP
Intranet
Acessar
Tamanho A A
GAZETA

Depressão profunda é causa do afastamento

Quinta, 10 de agosto de 2017, 15h15

DANTIELLE VENTURINI
DA REDAÇÃO

Os 6 atestados médicos apresentados pela tenente do Corpo de Bombeiros Izadora Ledur de Souza, que a mantém afastada da corporação, estão relacionados a questões psicológicas, mais especificamente a uma depressão profunda, segundo relata o presidente da Associação dos Oficiais da Polícia e Bombeiro Militar de Mato Grosso (Assof-MT), tenente-coronel da PM Wanderson Siqueira.

Segundo ele, a tenente “entrou em uma crise depressiva com questões internas ao ponto de pensar em tirar a própria vida, de relacionar a morte (de Rodrigo) com a conduta dela”. Afirma que Ledur chegou a ser internada em uma clínica para tratamento, que deixou a casa dela e não sai mais da casa dos pais e ninguém a deixa sozinha por medo do que “ela pode fazer”.

Apesar de reconhecer as falhas durante o treinamento aquático e defender que sejam tomadas providências, a Assof afirma que a tenente não foi responsável pela morte do aluno Rodrigo Claro, ao contrário do que aponta a denúncia oferecida pelo Ministério Público do Estado e recebida pela Justiça estadual. Após as conclusões dos inquéritos policial e do Corpo de Bombeiros, aos quais a associação teve acesso, Wanderson diz que a Assof identificou duas situações distintas, que de acordo com o presidente precisam ser tratadas.

Uma diz respeito à forma de trabalho e conduta da tenente durante o treinamento, que na opinião da associação precisa ser averiguada e, caso haja erros, Ledur ser responsabilizada. Outra diz respeito à morte de Claro, que para o tenentecoronel não há nenhuma relação com o treinamento. “Temos tranquilidade em dizer isso”. Segundo ele, o laudo da perícia demonstrou que Rodrigo Claro não tinha nenhuma lesão pelo corpo, não tinha água no pulmão, não tinha ferimentos internos, e que ele teria morrido de “hemorragia intracraniana e de causa natural”.

Conforme Siqueira, a família de Rodrigo teria histórico de aneurisma. Com base nos depoimentos dos alunos que concluíram o curso, Wanderson afirma que foi possível chegar à conclusão que a morte de Rodrigo não teve relação com o treinamento. Em relação às demais denúncias da conduta da tenente, antes e depois da morte de Rodrigo, o presidente da Assof afirma que precisam ser investigadas.

“Se ela tem alguma conduta de maustratos a alunos, precisa ser responsabilizada, mas não em relação à morte do Claro, que ela não tem culpa”. Wanderson afirma que não há dúvidas de que houve falhas que precisam ser responsabilizadas no caso de Rodrigo como, por exemplo, o aluno ter saído sozinho do local de treinamento passando mal. “Mesmo que ninguém tenha relação com a doença que levou à morte dele, o mínimo que deveria ter acontecido ali é um cuidado diferenciado com uma pessoa que diz não estar passando bem”.

Destaca que era necessário a ambulância ou que alguém o acompanhasse até o médico. “A instituição tem que aprender com isso para que não volte acontecer. Mas tudo isso são transgressões que não quer dizer que foram decisivas para morte do Rodrigo”. Em relação aos 6 atestados médicos apresentados pela tenente, que atrapalham a conclusão do Conselho de Justificação, Wanderson afirma que os 2 inquéritos (Militar e Civil) foram concluídos e a Ledur participou de tudo, porém ela entrou em uma “crise depressiva”, foi internada, e está “devastada”.

“Ela é uma mulher e como 99% das mulheres, onde o emocional é mais aflorado e ela ta devastada”. Ainda conforme ele, quando tudo aconteceu Ledur chegou a ser proibida de falar com a imprensa pelo antigo comandante da instituição. “No primeiro momento ela cumpriu uma determinação, já no segundo momento ela ficou abalada com tudo o que saiu sobre ela”. O presidente explica que a tenente foi procurada pela associação, que conversou com ela e não satisfeito foi atrás dos inquéritos e, aí sim, a Assof teve condições de falar por ela.

“Até para falar ela não está legal”. Questionado quanto aos depoimentos que constam na denúncia oferecida pelo Ministério Público contra a tenente e mais cinco oficiais, por tortura com resultado morte, e quanto as várias outras denúncias que surgiram contra ela no decorrer desse processo, o presidente da Assof afirma acreditar que existe uma situação em que os alunos não gostavam da tenente e que no momento dos depoimentos eles “aproveitaram” a situação.

Segundo Wanderson, em termos de qualificação e especialização para área ministrada pela tenente, ela é a “mais preparada no Estado de Mato Grosso”. Ele afirma que Ledur é campeã brasileira de atividades de bombeiros. “Ela realmente é uma pessoa muito preparada”. Quanto à disciplina em que a tenente é especialista, treinamento aquático, o representante da associação esclarece que existem “nuances” diferentes de outros treinamentos, já que os bombeiros precisam ser preparados para atender uma vítima que no momento do afogamento “desenvolve um pavor e uma força, e não rara vezes acaba matando quem tenta salvá-la”.

No treinamento segundo ele, são abordados todas as possibilidades e o aluno precisa ser ensinado, por exemplo, sobre a sensação do afogamento, quais as fases, o que fazer para se “desvencilhar” de uma vítima, e alguns alunos confundem essas “técnicas” com maus-tratos e torturas.

“Eles precisam ser ensinados porque senão daqui a pouco teremos bombeiros morrendo tentando salvar as vítimas”. Conforme ele, o fato de um aluno mergulhar e quando voltar à superfície ele ser “retido” por alguns segundos para que ele tenha a sensação do que é “ingerir” água, e depois ele ser colocado em segurança novamente, “acontece e faz parte do treinamento”.

Explica que alguns dos motivos da tenente ter sido denunciada na instituição, pode ter ocorrido por causa de técnicas como essas, e a corporação chegou à conclusão que o que foi relatado eram atividades que estavam dentro do manual. Após a conclusão de todo o caso, Wanderson explica que a Assof defende a volta da tenente à corporação. “Existem outras áreas na Corporação”, disse o tenente-coronel ao ser questionado se ela teria condições de retornar aos Bombeiros
.

 
Compartilhe nas redes sociais
e-mail facebook twitter


Confira também:
20.10.17 10h09 » Polícia prende assaltantes de residências
20.10.17 10h06 » Valdir Piran se livra de tornozeleira
19.10.17 10h14 » Em nota, Gaeco repudia as declarações do cabo
19.10.17 10h09 » Juíza vai processar cabo da PM
19.10.17 10h04 » Aniversário é lembrado com protesto e pedidos
17.10.17 10h43 » Justiça bloqueia bens de Luciane Bezerra
17.10.17 10h40 » MP vai investigar irregularidades
11.10.17 10h37 » Selma nega afastar promotora de ação
11.10.17 10h34 » Documentos contradizem delação de Nadaf
10.10.17 13h18 » MPE denuncia Luciane por fraudes
10.10.17 13h15 » Justiça proíbe tráfego de caminhões
09.10.17 11h10 » MP veta Dutra só para o futebol
09.10.17 11h07 » MP vai analisar improbidade
09.10.17 11h01 » Membros do CV já respondem a 9 ações penais
06.10.17 10h37 » Órgãos analisam impacto da LOA





youtube facebook facebook RSS







Galeria de Fotos
Mais Fotos
Entrevistas
Entrevistas
Buscar
Agenda e Eventos
Mais Agenda

Defender o regime democrático, a ordem jurídica e os interesses sociais e individuais indisponíveis, buscando a justiça social e o pleno exercício da cidadania.

» A Instituição » Teclas de Atalho » Corregedoria-Geral
» Acessibilidade » Projetos » Controle Interno
» Concursos » Departamentos » Gestão Ambiental - MP Sustentável
» Legislação » Licitações » Links
» Lotacionograma » Notícias » Órgãos Auxiliares
» Planejamento Estratégico » Portal Transparência » Procuradorias de Justiça Especializadas
» Publicações DOE » Todos Contra as Drogas » Terceiro Setor

Procuradoria Geral de Justiça

Rua Quatro, s/nº

Centro Politico e Administrativo - Cuiabá/MT

CEP: 78049-921

Fone: (65) 3613-5100


Sede das Promotorias de Justiça da Capital

Av. Desembargador Milton Figueiredo Ferreira Mendes, s/nº

Setor D - Centro Politico e Administrativo - Cuiabá/MT

CEP: 78049-928

Fone: (65) 3611-0600

Horário de atendimento ao público externo e protocolo: 08h às 18h

Ministério Público do Estado de Mato Grosso - Procuradoria Geral de Justiça